Conheça sua decolagem

  • Rating 12345

Texto: Lesley Gale

Original em Inglês: Know Your Load

L1Colisões de velame são hoje a maior causa de fatalidades, chegando a 22% das mortes dentro do esporte no último ano nos Estados Unidos. Prevenir é melhor que remediar: a melhor forma de lidar com uma colisão de velame é evitar uma. Isso começa antes de você entrar no avião…

Zonas de perigo

As dois momentos mais críticos para colisões são no início e no final da navegação do seu velame. Durante ou logo após a abertura do velame é um potencial momento de alto risco. A aproximação para a área de pouso também é uma zona de risco, quando a colisão é eminente e você não tem o luxo do tempo.

Curt Bartolomeu uma vez disse que a coisa que ele menos gosta no esporte é que você deve confiar que uma pessoa que você não conhece não vai matar você. Isso é verdade. A melhor defesa contra isso é conhecer essa pessoa.

Quem está na decolagem e quais são suas intenções?

Estar atento aos outros atletas na mesma decolagem é a melhor proteção que você pode ter contra os riscos que eles representam. Tenha em mente a ordem de saída dos grupos. Frequentemente isso é deixado a cargo do Jump Master, mas esse é o primeiro passo que você pode tomar para se proteger (dos outros).

  • Quantos grupos têm no avião?
  • Quantos paraquedistas no total (velames)?
  • O que eles vão fazer? (belly, freefly, wingsuit, etc.)
  • Qual a altura de comando deles?
  • Quem estará a favor do vento e contra o vento em relação a você durante a abertura?
  • Haverá duas passagens para lançamento ou apenas uma?
  • Se tem um grupo de Agle ou Wingsuit, qual seu plano de voo?
  • Quantos câmeras tem na decolagem e qual a altura que eles vão comandar?

Essas perguntas vão ajudar você a formar uma imagem da sequencia de eventos que acontecem após o lançamento, incluindo os comandos e aberturas.

Pode ser inteligente ter uma conversa rápida com o grupo/indivíduo que vai sair logo após de você, peça para que ele(s) saiam após um intervalo apropriado (ex: 8 segundos) para a segurança de todos. Esse pequeno ato pode salvar sua vida.

L2Quem tem mais chance de matar você?

Olhe ao redor e descubra quem tem mais chance de matar você (na sua opinião). Aquele cara que aparenta nervosismo logo após concluir o AFF? O 2-way de belly que sai logo em seguida do seu grupo? O último angle flyer a entrar na decolagem? Uma senhora com capacete e equipamento antigo? O freeflyer solo? Dê uma bandeira vermelha a essa pessoa, e dedique uma atenção especial a ele, se assegure do plano que ele pretende seguir no salto, e esteja vigilante e atento a sua criança problemática no ar. Tem uma excelente observação na edição da revista Parachutist esse mês, por Nicolas Lott, “Toda vez que eu escuto as pessoas informando sua ordem de saída na área de embarque, eu me arrepio quando eu ouço as palavras ‘solo freeflyer’. Eu já ouvi vários casos de ‘quase acidentes’ de outros paraquedistas que estavam voando acima ou abaixo de mim em queda livre. Já aconteceu de uma pessoa sair antes de mim, voar na direção errada, passar de mim, e abrir o paraquedas próximo ao outro grupo, que saiu depois de mim. Essas circunstâncias já acabaram em fatalidades no passado e a gente precisa fazer tudo que pode para preveni-las.”

L3Identifique cada um na decolagem

Olhe para as outras pessoas do seu grupo quando estiver fazendo track; um número alarmante de colisões acontecem com pessoas no mesmo salto, inclusive em um 4-way. Durante a abertura, esteja atento ao grupo na sua frente e também os que vêm atrás de você, depois observe também os outros velames. Faça uma checklist mental dos velames que estão no céu comparando com a decolagem. Se você puder ver todos, não terá nenhuma surpresa desagradável. Se um grupo está faltando, mantenha seus olhos atentos até que vê-los.

Pouse sozinho

Pouse sozinho. Esse simples conselho já salvou muitas vidas. Calcule sua aproximação para permitir uma separação vertical dos outros velames e evitar possíveis colisões. Se afastar dos outros velames e ir para um lugar mais calmo reduz as chances de uma colisão. Escolher uma área afastada de todo mundo torna uma colisão quase impossível. Nós sempre ouvimos o ditado ‘melhor andar um pouco mais do que não poder andar’- mas quantos de nós realmente segue – ou a gente apenas fala e fala e sempre quer pousar na grama o mais perto possível da área de dobragem, com todos os outros?

São necessárias duas pessoas para acontecer uma colisão, e só precisa de uma para evita-la.

Se divirta com segurança. Conheça sua decolagem.

ia-A3lfKQPyZ7JZGlmHJ-Q

Lesley Gale

Recordista de Formação Feminina Britânica
Membro do time de 8-way do Reino Unido
Recordista Mundial de Formação
Capitã do P3
Editora do www.skydivemag.com


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *